top of page
Image by Chris Nguyen
sopro-cores.png

Movimento para integração da comunidade

 LGBTQIA+ na Igreja Católica Portuguesa 

  • sopromov

Sopro solidário com as vítimas de abusos na Igreja

20/02/2023


No rescaldo do relatório sobre abusos sexuais no seio da Igreja Católica Portuguesa, o Sopro manifesta a sua solidariedade total para com as vítimas e incita à ação para que esta tragédia não se repita. Em primeiro lugar, agradecemos a coragem das pessoas que quebraram o silêncio e partilharam denúncias com a comissão investigadora, muitas vezes revivendo traumas pessoais.


Conseguimos apenas imaginar a angústia a dor causada por estes crimes hediondos, e a destruição real trazida a tantas vidas, causada por quem diz seguir Aquele que é verdadeira Vida. Acreditamos que esta dor não pode ser reparada apenas com orações e palavras bonitas. Apelamos por isso a reparações reais às vítimas, tanto na forma de compensação material como na forma de apoio psicológico e espiritual que as ajude a recuperar do trauma causado pela Igreja.


Consideramos que estes crimes revelam uma Igreja corrupta, com demasiados pastores (muitos padres, mas não só) que abusam do poder que lhes foi confiado e estão mais preocupados em preservar a reputação institucional do que em cuidar das suas ovelhas. Por isso, a prevenção destes casos passa por uma renovação na Igreja, com ações concretas que mostrem arrependimento real e vontade de redenção. É urgente criar mecanismos para que uma cultura de cuidado permeie todas as paróquias e movimentos, sem excluir ninguém. É urgente promover uma vivência saudável da sexualidade, sem armários nem repressões, para todas as pessoas – leigas ou ordenadas.


Como pessoas que experimentam dor e rejeição às mãos da Igreja Católica, mas também a alegria do amor de Jesus, que a instituiu, o Sopro acredita que a renovação é possível. Assim, começaremos por nos juntar às vigílias de oração pelas vítimas dos crimes cometidos pela Igreja Católica, dia 22 de fevereiro das 21 às 22 horas, em frente ao Mosteiro dos Jerónimos (Lisboa) ou à Torre dos Clérigos (Porto). Que a oração nos mova à ação, e que o Espírito Santo nos guie neste caminho de redenção como Igreja.






125 visualizações

Comentários


bottom of page