WhatsApp Image 2022-06-14 at 20.48.42.jpeg

Victoria Rodriguez Roldán

​Mãe trans de três filhos, professora de matemática e católica 

Se não fosse a fé, já estaria morta 

Olá! O meu nome é Victoria. Sou mãe trans de três filhos e cristã praticante e venho dar meu testemunho de vida e fé, porque, em grande parte, uma não pode ser entendida sem a outra. 

Comecei a vestir-me de menina, quando tinha uns 9 anos de idade. Ia à casa de banho, fechava o trinco e vestia as roupas que a minha mãe tinha deixado no cesto de roupa suja. Mas, antes disso, ainda me lembro de brincar, aos 5 ou 6 anos, com uma folha de papel com botões desenhados, que era uma máquina que me transformava em menina, ora o cabelo, ora as mãos, ora o peito.... Enquanto apertava os botões, aos poucos, ia-me transformando em menina. Essa é uma das minhas primeiras lembranças, a brincadeira com aquele pedaço de papel.  

Os meus pais acabaram por me descobrir e a verdade é que não aceitaram bem ou mal. Simplesmente, não sabiam o que fazer. Concluíram que isso era uma fase, que eu superaria e que deveria fazer o que quisesse, mas o importante era que ninguém descobrisse. Tentavam fechar os olhos quando as meias da minha mãe apareciam rasgadas ou desapareciam, ou noutro tipo de coisas, tornando a minha sexualidade invisível, como se não existisse. 

Pessoalmente, o que mais me doeu neste assunto, foi o facto de que eu tinha um instinto maternal muito marcado, queria ter filhos, muitos filhos, mas via isso como um problema sem solução. Pensei que, se me tornasse trans, nunca poderia ter filhos, e se me casasse e tivesse filhos, não seria eu. Achei que tinha de escolher entre ser mulher ou ser mãe, e era um dilema mortal que torturava a minha alma.  

Em relação ao meu relacionamento com Deus, a princípio pensei que a transexualidade era uma espécie de teste ou tentação que eu havia colocado em mim mesma, a que tinha de resistir, mas na qual inevitavelmente acabava caindo de novo e de novo. Quando tinha 18 ou 19 anos, acabei por me aceitar como travesti, mas, para mim, a transexualidade ou travestismo era uma espécie de castigo ou laje que Deus havia colocado em mim, por algum motivo. Naquela fase da minha vida, que durou mais de 10 anos, acreditava em Deus e orava e falava com Ele, mas principalmente para reclamar: porquê eu? Mesmo assim, sentia-me amada por Deus e, de facto, se não fosse pela fé, estaria morta.  

Frequentemente, tinha pensamentos suicidas, pois apesar de me aceitar como travesti, não via sentido em nada, nem futuro, com aquela dualidade mulher ou mãe, que parecia impossível de alcançar, e a fé era a única coisa que me mantinha viva naqueles anos, fé de que haveria alguma razão para minha transexualidade, fé de que Deus me quisesse para que algo acontecesse, fé de que, se eu me matasse, iria para o inferno de cabeça. Então, o suicídio também não era uma saída. Fé que Cristo sofreu muito na cruz, e que a transexualidade foi a cruz que eu tive de sofrer. E também a fé que Deus me amou, que eu sentia isso dentro de mim, e que tudo, de alguma forma, faria sentido. 

Mas foram anos muito difíceis. E, sem fé, com certeza, não teria conseguido, porque foi com fé e quase não consegui. Nesse sentido, não posso deixar de lembrar que o suicídio é uma causa muito real e muito verdadeira de morte para pessoas LGBT, especialmente pessoas trans, e por isso é essencial que haja um apoio claro para elas, principalmente desde a infância e a adolescência, que são, de longe, os anos mais complicados. 

Os armários matam 

Da minha parte, tive sorte. Deus sorriu para mim e protegeu-me, apesar das minhas dificuldades. Conheci uma rapariga que me aceitou como eu era, com o meu travestismo/transexualidade, que nunca lhe escondi. Apaixonámo-nos, casámos, tivemos filhos, mas o armário continuava ali, sufocando-me. Sabia que, se saísse do armário, iria perdê-la, porque ela aceitava essa parte em particular, mas nunca em público, e eu não queria perdê-la. Porém, não poderia continuar com a farsa por muito mais tempo. Eu, simplesmente, não podia. Nem para ela, nem para meus filhos, nem para ninguém.  

O armário, de mais de 30 anos, em que estava presa e todos os complexos, traumas e falsidades a ele associados estavam a sufocar-me e até a afetar a minha saúde. E é que os armários matam, tenho isso muito claro. Matam, tirando-te o desejo de viver, de desfrutar de uma vida que não é realmente aquela que queres, aquela que sabes que te pertence. Matam, fazendo-te sentir culpada por viver uma vida dupla, de ser uma farsa, de enganar os teus amigos, os teus conhecidos, todos aos quais escondes o teu verdadeiro eu no armário. Matam e sufocam como as verdadeiras prisões que são, e é por isso que, se realmente queremos salvar vidas, é essencial que abramos armários, e cada um(a) possa viver a sua vida como ela é.  

Comecei a ter crises de ansiedade e problemas de equilíbrio, onde tudo começou a girar. E acabámos por nos separar. Mas eu ainda não tinha certeza do que Deus queria de mim. Devia sair do armário ou a minha transexualidade era a cruz que eu deveria continuar a sofrer em silêncio? E então, ao ler a Bíblia, deparei-me com a parábola dos talentos e, naquele momento, percebi que o verdadeiro talento que Deus me deu e que mantive enterrado era a minha transexualidade, e que era isso que eu tinha de trazer à luz e usar. Fui saindo do armário e Deus não parou de me acompanhar, confirmando que eu tinha tomado a decisão certa.  

Apesar do que temia, não tive problemas no trabalho, nem com amigos ou familiares próximos, nem com meus filhos. É verdade que algumas pessoas tiveram mais dificuldade em processá-lo do que outras, e que estavam muito confusas com o nome, no início, mas, em geral, os grandes medos e problemas que eu temia nunca se tornaram realidade. Aliás, até me surpreendi com a facilidade com que algumas pessoas me aceitaram, e o facto é que o problema da transexualidade está principalmente nas nossas cabeças, na transfobia internalizada, nos traumas e complexos que ela gera. Mas não foi só a ausência de problemas, mas Deus, como sempre, sorriu para mim e fez-me conhecer muita gente maravilhosa.  

Pouco depois de sair do armário, conheci a Icthys, uma associação católica de pessoas LGBT da minha cidade [Sevilha], onde pude viver a minha fé de uma forma muito mais plena, sincera e pessoal do que antes. E também conheci a minha parceira, outra mulher trans, quando, depois do divórcio, eu achava que ninguém mais se interessaria por uma pessoa com a minha idade, com três filhos e que também era trans, aqueles complexos que eu ainda tinha, apesar de ter saído do armário. Porque sair do armário é apenas o primeiro passo, é superar o medo e poder apresentar-se e viver como se é, diante das pessoas que se ama. Mas então há o passo de remover gradualmente toda essa transfobia e homofobia internalizada que se vem acumulando ao longo dos anos. 

E isso é algo que é muito gradual e que vai passando à medida que finalmente consegues viver a tua vida naturalmente e percebes que não há nada de errado ou pior no teu género ou sexualidade, pelo contrário, que, em muitos aspectos, a transexualidade é uma dádiva, um autêntico dom de Deus. E quando a vives como tal é quando toda a tua vida começa a fazer sentido e a brilhar com uma luz que ilumina os que estão ao teu redor. 

 

Eu gostaria que este testemunho servisse para dar esperança de que, com a ajuda de Deus, tudo é possível, que se pode ser trans e mãe, trans e cristã, ser LGBT e sentir Deus no coração e que não devemos sentir-nos obrigados a escolher entre a nossa fé e nossa identidade ou orientação, porque são perfeitamente compatíveis e há muitos, muitos, crentes LGBT, embora seja uma realidade que permanece invisível.